Substituindo o enrolador de genoa por um Tuff-Luff.

Para que o veleiro ORM possa participar de regatas da classe Quarter Tonner, o erolador de genoa tem de ser substituído por um Tuff-Luff.

Não existe nenhuma dúvida sobre a utilidade e a facilidade que o enrolador de genoa nos permite numa velejada de cruzeiro ou em regata, quando o enrolador é permitido pelas regras da classe.

Meu enrolador de genoa ficou instalado no meu veleiro por 15 anos (participei de duas edições da Semana de Vela de Ilhabela com ele sendo penalizado no meu rating, é claro) e sei das vantagens deste equipamento em qualquer condição de vento e de mar, principalmente nas velejadas em solitário.

 

Enrolador Nautos instalado no ORM
Enrolador Nautos instalado no ORM

 

Um dos grandes benefícios do enrolador de genoa, é a possibilidade de diminuir a quantidade de velas de proa (por consequência seu custo) em até 4 velas, que são trocadas por apenas uma, já que podemos regular seu tamanho apenas enrolando ou desenrolando a vela.

Apenas para lembrar, em um veleiro, normalmente, temos um enxoval com as seguintes velas de proa: Leve 1-150%, G1-150%, G2-130/140%, G3-100%, Buja de Tempestade e, dependendo, uma Code-0 (não Gennaker). Destaco que não é recomendada a substituição da Buja de Tempestade em nenhuma circunstância e, mesmo com um enrolador de genoa, esta deverá fazer parte do seu enxoval a todo o momento.

Apesar de todas as vantagens, como meu objetivo é participar de regatas (ano de 2014), a regra da Classe Quarter-Tonner (www.quartertonclass.org), classe do veleiro ORM, não permite o uso do enrolador de genoa e por isso tive de tirar (está guardado para o dia que quiser fazer cruzeiro).

 

Alternativas e Decisões

Na classe Quarter-Tonner, as opções permitidas pela classe para velas de proa presas ao estai são: o tradicional garruncho (círculo de ferro ou peça de nylon que se espia no estai para travar as bujas ou genoas) ou o Tuff-Luff.

 

Garruncho
Garruncho

 

Cada sistema (garruncho ou Tuff-Luff) tem suas vantagens e desvantagens, contudo, optei pelo Tuff-Luff por causa do tipo das velas que vou usar, de carbono (Space Carbon da Olimpic Sails), da sua forma de alimentação por canaletas (que permite que toda a testa da genoa fique tesa), da aerodinâmica (que proporciona diminuição da turbulência na vela de proa) e da possibilidade de trocar velas com uma já içada (peeling).

 

Peeling
Peeling – Foto: Max Gorissen

 

O Tuff-Luff, as peças e o profissional para montar tudo

Adquiri o Tuff-Luff da fabricante Schaefer (www.tuffluff.com) através do Telesmar (www.telesmar.com.br), que também ficou responsável por fornecer as peças necessárias e realizar a montagem e instalação.

 

TL 1

 

As peças que vem no conjunto são:

  • Canaleta branca com Alimentador de perfil em uma extremidade;
  • Rolo de Fita isolante branca;
  • Proteção de metal para a extremidade com parafuso/arruela;
  • Guia do Alimentador com cabo branco;
  • Manual de instalação.

 

TL 2

 

Peças que não vieram no conjunto e que foram fornecidas pelo Telesmar:

  • 10 metros de Cabo de aço inox de 5 milímetros;
  • 1 terminal de aço inox Macho Rápido para cabo de 5 mm;
  • 1 terminal de aço inox Fêmea Rápido para cabo de 5 mm;
  • Arruelas de bronze.

 

Terminais
Terminais

 

Mastreação do veleiro ORM

O serviço descrito e ilustrado a seguir, como verão, é relativamente simples, principalmente se for realizado por um profissional qualificado como é o caso do Telesmar, contudo, montar o Tuff- Luff e instalar no veleiro, é apenas a primeira etapa de um trabalho paciente e demorado de regulagens para se encontrar o comprimento certo do estai de proa para cada tipo de veleiro e mastreação, já que, a tensão do estai de proa, afeta a curvatura da entrada (arredondada ou achatada) e a posição do draft (ponto de maior profundidade) da genoa, a inclinação do mastro e, dependendo da sua influência na curvatura do mastro, também no shape da vela mestra (vou deixar este assunto para outro artigo).

Uma característica que teve de ser levada em conta no caso do meu veleiro (Veleiro de nome ORM, um Mariner – Ranger 26, fabricado em 1983, classe Quarter-Tonner, projeto German Frers Nº 735 de 07 de Abril de 1979), é que este possui mastreação fracionada em 7/8 com cruzetas alinhadas, com runners e check-stays e mastro apoiado na quilha.

Para uma mastreação deste tipo, muitos ajustes precisam ser realizados antes de se alcançar uma regulagem ideal.

Este foi o motivo da minha escolha pelos Terminais Macho e Fêmea “Rápido” em vez dos Terminais Macho e Fêmea “Prensáveis”, estes últimos, como são prensados no cabo de aço, uma vez prensados, não permitem ser desmontados para ajustes.

Com este tipo de mastreação, o mastro é totalmente flexível e sua regulagem e controle são realizados pela combinação de ajustes “em terra” no estai de proa, nos brandais e na regulagem da posição do pé do mastro sobre a quilha e, “na água”, nos runners, nos check-stays, no estai de popa e, é claro, na posição dos travellers e tensão das escotas da genoa e da mestra.

Qualquer ajuste errado na mastreação, além de fazer com que o veleiro não atinja o ângulo ideal de orça, influencia na velocidade do veleiro…. Nada bom para um veleiro de regata!

 

Retirando o enrolador

A primeira etapa foi desmontar o enrolador e retirá-lo do estai de proa atual, para ser guardado de maneira adequada, procedimento executado com facilidade dado que o mastro já havia sido retirado do veleiro para passar por uma completa manutenção.

Caso o mastro ainda estivesse instalado, antes de soltar o enrolador, seria necessário sustentar o mastro amarrando a extremidade de uma adriça em algum ponto alto do mastro e a outra em algum ponto de sustentação no deck (um cunho, guarda-mancebo ou outro) ou, melhor ainda, usado a própria adriça da genoa ou do balão, que saem avante no mastro e que, geralmente tem um “gato” (engate rápido de inox), o que facilita prender em qualquer olhal na proa. Com a adriça amarrada, é só cassar até a adriça ficar tesa, podendo então retirar o conjunto enrolador de genoa.

 

Montagem do Tuff-Luff

De posse do conjunto enrolador/canaleta/estai antigo, use o comprimento do conjunto para determinar o comprimento do novo cabo de aço que irá passar por dentro da canaleta do Tuff-Luff. A vantagem de se usar como base o comprimento antigo do seu estai de proa se dá pelo fato de, se este já foi ajustado e estiver no comprimento ótimo para tirar o máximo de desempenho da sua mastreação, isso reduzirá o trabalho de ajuste posterior. Para ajudar na medição, pode ser usada também uma trena.

 

TL 3

 

Uma vez tendo cortado o cabo de aço no comprimento do estai antigo, o processo de montagem do Tuff-Luff é bastante simples, contudo, se seu objetivo é acertar a regulagem para um veleiro de regatas, é importante destacar que a montagem do Terminal Macho deverá ser repetida (mais fácil, pois fica no tope onde podemos, a qualquer momento, cortar a canaleta – veja a seguir), em várias saídas para testes com vela e diferentes intensidades de vento, até acertar o comprimento para a correta regulagem do seu mastro.

Após cortar o cabo de aço, apare as pontas com uma lima chata.

 

TL 4

 

É necessário deixar uma parte do estai sem a canaleta para poder instalar a mangueira plástica que servirá de espaço livre para instalar o Guia do Alimentador. Este guia, durante a operação de subir/descer a genoa, permitirá inserir e passar o cabo da testa do punho de tope da genoa e irá conduzir o cabo da testa pelo Alimentador do perfil da canaleta do Tuff-Luff.

 

Guia do Alimentador
Guia do Alimentador

 

Meça o tamanho da mangueira plástica que irá usar e subtraia a sua medida do comprimento da canaleta.

 

TL 5

 

Marque o local do corte com dois pedaços de fita isolante (ou caneta).

 

TL 6

 

Antes de cortar, verifique se o comprimento adicionando o comprimento escolhido para a mangueira plástica está correto.

Importante:

  • Certifique-se de que está cortando na extremidade que não contém o Alimentador do perfil da canaleta (identificado com um adesivo rosa);
  • Muita calma neste momento. Revise tudo novamente, pois, uma vez cortada a canaleta, se precisar de uma canaleta mais comprida, não tem como emendar e terá de adquirir outro Tuff-Luff. Além disso, se cortar a extremidade do Alimentador do perfil da canaleta, como este é prensado, perde também o Tuff-Luff.

 

TL 8

 

TL 7

 

Pegue uma das extremidades do cabo de aço e coloque o Cone Externo do Terminal Rápido (pode ser o Macho, que será instalado no mastro ou a Fêmea, que será montado na ferragem no deck). Ambos tem o mesmo procedimento de montagem.

 

TL 10

 

Abra o cabo de aço com um alicate girando no sentido contrário ao das cerdas da Capa Externa do cabo de aço.

 

TL 11

 

O objetivo é liberar a “alma” (cabo interno) do cabo de aço.

 

TL 12

 

Insira o “Cone Interno” do Terminal Rápido na alma do cabo de aço.

 

TL 13

 

Bata com o alicate ou martelo até que fique a mostra a alma do cabo de aço pelo orifício do Cone Interno.

 

TL 15

 

Será necessário passar a alma do cabo de aço pelo orifício do Cone Interno e, para isso, use o alicate girando na direção contrária das cerdas (para que abram) e colocando pressão até passar aproximadamente 3 milímetros.

 

TL 16

 

O próximo passo é enrolar a Capa Externa do cabo novamente ao redor do Cone Interno, fazendo com que as cerdas da Capa Externa do cabo se “fechem” novamente ao redor do Cone Interno.

Segurando forte para que o cabo não abra novamente, pegue o Terminal Rápido com rosca (pode ser o Macho ou Fêmea) e insira o cabo de aço neste. Certifique-se de que nenhuma cerda ficou para fora e que todas estão alinhadas.

 

TL 24

 

Com um par de chaves inglesas, aperte forte, mas sem exagerar, pois o objetivo neste momento é apenas fazer com que a capa externa do cabo de aço “abrace” o Cone Interno e volte a se fechar na extremidade.

 

TL 25

 

Para confirmar se o cabo abraçou o cone interno e que não possui cerdas retorcidas, o que pode causar a falha da peça durante condições de esforço, desparafuse o Cone Externo, retire o Terminal com Rosca e verifique se está tudo OK.

 

TL 26

 

Se tudo estiver conforme a fotografia anterior, passe um pouco de Sikaflex (ou outro adesivo a base de silicone) dentro do Cone Externo e repita o procedimento de aperto. Se a extremidade do cabo de aço tiver cerdas tortas ou não tiver abraçado o Cone Interno de maneira adequada, repita a operação.

Retire o excesso de Sikaflex com uma estopa molhada em um pouco de álcool e verifique o resultado do serviço.

 

TL 29

 

Agora, insira o cabo de aço pelo tubo com circunferência fechada em uma das extremidades da canaleta do Tuff-Luff.

Importante: Se o Terminal instalado no cabo de aço for o Macho, este Terminal será o de tope (instalado no mastro) e deverá ser inserido na extremidade da canaleta que não possui o Alimentador do perfil. Caso o Terminal instalado no cabo de aço seja o Fêmea, este terminal será preso a uma ferragem no deck e, portanto, o cabo deverá ser inserido na extremidade que contém o Alimentador do perfil da canaleta (extremidade com o adesivo rosa). Tudo depende do Terminal escolhido, contudo, em ambos casos, o cabo deverá ser inserido em uma arruela de bronze antes de ser inserido no tubo da canaleta.

 

TL 34

 

TL 9

 

Repita agora o procedimento para o outro Terminal que deverá ser montado na outra extremidade do cabo de aço.

Uma vez tendo instalados os dois terminais, a canaleta ficou “travada” (entre os Terminais Macho e Fêmea), e o próximo passo é instalar a mangueira que vem com o conjunto na parte inferior, entre o Terminal Fêmea e o Alimentador do perfil da canaleta (extremidade com o adesivo rosa).

Para concluir esta etapa, corte a mangueira na medida certa puxando a canaleta em direção ao Terminal Macho (tope) e encaixando a mangueira no cabo de aço. A mangueira já vem pré-cortada longitudinalmente para que o cabo de aço possa entrar nela.

Com a mangueira enrolada no cabo de aço, pegue a fita isolante branca que vem com o conjunto e comece a enrolar na mangueira. O objetivo deste procedimento é cobrir a mangueira para evitar com que a mangueira saia do cabo de aço.

 

TL 40

 

Agora, é só finalizar a montagem instalando a proteção da canaleta na extremidade do tope. Para isso, terá de perfurar um buraco passante na canaleta para instalar o parafuso de sustentação. A melhor maneira para realizar esta etapa, é colocar a proteção no lugar e usar o buraco da mesma como guia para a broca da furadeira elétrica.

Uma vez montado o novo conjunto Tuff-Luff no veleiro, fica agora a última montagem, a da Guia do alimentador do cabo da testa da genoa que deverá ser amarrado na mangueira.

 

Guia
Guia

 

Espero que este artigo tenha ajudado.

 

Tuff-Luff em regata
Tuff-Luff em regata

 

Fotos e Texto: Max Gorissen

Agradeço ao Sr. Telesmar, por permitir fotografar a montagem do Tuff-Luff que ilustrou este artigo. Seu contato: www.telesmar.com.br

Tuff-Luff é Marca Registrada da empresa Schaeffer Marine Inc. www.tuffluff.com

Matéria realizada em: 01/10/2014

 

Bons ventos!

 

Max Gorissen

Velejador, escritor e Editor da SailBrasil.com.br… nessa ordem! 😊

Anúncios

Deixe uma resposta