Âncora auxiliar e de popa – Você não tem uma a bordo?

                                                                                                                                            Por: Ricardo Ermel*

Quantas âncoras devemos ter a bordo?

Essa é uma pergunta que ecoa embaixo dos bonés dos comandantes.

Os mais precavidos têm pelo menos três, duas compatíveis com o tamanho do barco e outra ligeiramente menor. Já os que procuram conforto aliados a segurança, duas, sendo uma compatível com a embarcação e outra menor. Já os de primeira viagem transportam apenas uma, e, normalmente optam por um peso confortável, e, compatível com a força muscular para içá-la.

CSL Marinharia
CSL Marinharia

O segundo ferro, reserva, compatível com o tamanho da embarcação, também é conhecido como Âncora de Esperança ou Ferro de Roça, e normalmente é usado em momentos de emergência, e, aconselha-se mantê-lo pronto para uso.

A menor âncora, ou a mais leve, geralmente de 1/4 a 1/3 do peso da âncora principal, poderá adotar várias funções, como por exemplo:

– Em mal tempo entrar em linha com a principal, aumentando em muito a ancoragem da embarcação;

– Como âncora de través, usada para manter o barco afastado do cais;

– Para uma ancoragem rápida, como um almoço a bordo ou eventos de curta duração;

– Ou, como âncora de popa.

CSL Marinharia
CSL Marinharia

Como de popa, podemos destacar três situações que ela é utilizada:

  1. Quando aproado a um cais – é lançado a âncora de popa para evitar que a embarcação rabeie;
  2. Para manter uma proa fixa fundeado – usado em locais com muitos barcos, ou em canais estreitos, e lançado para evitar que a embarcação não rode com a mudança de vento, maré ou correntes, porém, certifique-se que os seus vizinhos também estão usando, senão podes acabar numa “cama de gato”;
  3. Num desembarque na praia – nesse caso também estamos querendo manter uma proa fixa, mas alguns cuidados devem ser observados pensando nos outros frequentadores, e, nos acidentes que o seu equipamento poderá ocasionar:
  • Deixe-a visível – enterre-a, mas coloque cocos, madeira ou alguma sinalização sobre ela, assim evitará que algum frequentador se machuque sobre ela;
  • Use um cabo de uma cor que contraste com a areia, ressaltando onde ele está e evitando tropeções e quedas;
  • Observe se o cabo está atritando com algo que possa põe-lo, como pedras, evitando que seu barco se solte inesperadamente acabando sobre outros;

Mantenha a distância segura de outras embarcações, lembre-se que pode haver mudança na direção do vento e ondas.

CSL Marinharia
CSL Marinharia

Lembro que o fundeio principal deve ser sempre efetuado pela proa, dessa forma evitarás que embarque água pela popa no caso de ondas e ventos. Reforço que o barco deve estar preparado para receber o cabo do ferro.

Certifique-se que os cunhos estão preparados para a tração que irão sofrer. Em caso de fundeios longos utilize o cabo passando em dois cunhos.

Ao utilizar o ferro de popa, fique atento para que que o barco possa girar sem o cabo danificar ou atritar o motor, quinas, costado, ou algum equipamento. Tenha cuidados extremos se houver necessidades de engrenar o motor com o ferro de popa ainda na água.

Em manobras de lançar e suspender ancora, mantenha sempre à mão uma faca amolada ou uma pequena machadinha, para cortar o cabo em situações de emergência que poderão surgir.

No site www.cslmarinharia.com.br/produtos você encontra uma linha completa de  amarras (principal e auxiliar) para todos os tamanhos de embarcação.

Mais informações:

CSL Marinharia Customização Ltda – ME

Rua Rodolfo Schaeffer, 253 – H –  Bairro Duchas – 25680-140
Petrópolis – RJ
Tel.: (24) 2243-1665
Cel.:(24) 97401-3857
ID 45*5*194941
contato@cslmarinharia.com.br

www.cslmarinharia.com.br

 

*Ricardo Ermel, além de “Homem do Mar”, nosso amigo e colaborador, é especialista em Logística Náutica e gerencia a Marina Piratas, do Grupo BR Marinas em Angra dos Reis – RJ.
Anúncios

Deixe uma resposta