Entre o racional e o irracional

Quando uma pessoa decide entrar no apaixonante mercado náutico, principalmente no da vela, é importante que procure balancear a paixão e a razão, as duas forças decisórias que estão por trás da compra de uma embarcação, para não se desiludirem com o estilo de vida com o qual esse mercado nos brinda.

No Brasil, o crescimento de uma nova geração de proprietários de embarcações aqui chamadas “de luxo” está mudando o mercado. Por definição, luxo é percebido como algo “excessivo”, pois não responde a uma necessidade para ela. É meramente desejo.

Pessoas que não conhecem a indústria das embarcações de luxo, sobretudo dos iates de luxo, muitas vezes se perguntam qual é o principal incentivo para uma pessoa investir em uma delas. É uma pergunta bastante normal quando se está diante de uma belíssima e luxuosa embarcação. Mas o que realmente acredito que está por trás desta pergunta é a tentativa de entender se a decisão do proprietário foi racional ou emocional.

Envolvido nesse mercado pelos últimos 30 anos, posso compreender como os proprietários de embarcações de luxo fazem suas escolhas. Não é necessário discorrer sobre o que o estilo de vida do iatista agrega aos poucos felizardos que possuem uma dessas embarcações: raros prazeres na vida são tão gratificantes quanto possuir um iate e poder navegar com todo conforto, sofisticação e privacidade. Muitos artigos já foram produzidos para descrever as experiências únicas e atemporais de estar a bordo de uma dessas embarcações, demonstrando que o investimento não é somente financeiro.

Acesso a lugares paradisíacos e exclusivos.

Quando um proprietário de uma embarcação passa a maior parte do seu tempo gerenciando seu negócio ou trabalhando um mínimo de oito horas por dia, cinco dias por semana, é compreensível que ele busque escapar do dia a dia em sua embarcação. Podemos considerar a necessidade de se conectar com a família e os amigos como a melhor maneira de conseguir equilíbrio na vida.

Além do típico cruzeiro de fim de semana, atualmente têm se tornado muito comuns os longos cruzeiros de aventura aos locais mais incríveis nos quatro recantos da terra. Uma matéria recente, por exemplo, contava sobre a realização de um cruzeiro para Ushuaia, no qual o proprietário conduzia seu iate a alguns dos locais mais remotos, espetaculares e exclusivos da costa da Terra do Fogo.

Localizada no arquipélago da Terra do Fogo, no extremo sul da América do Sul conhecido como “fim do mundo”, Ushuaia ocupa uma colina íngreme e sujeita a ventos muito fortes, sendo cercada pela cordilheira Martial e pelo Estreito de Beagle. Ela serve como base para cruzeiros e passeios pela Antártida que passam pela ilha Yécapasela, conhecida como a “Ilha do Pinguim” por conta das numerosas colônias desse animal que há por ali.

Esse cruzeiro espetacular pela Terra do Fogo não apenas incluía um visual natural maravilhoso, mas também a oportunidade de apreciar a vida animal, com baleias, golfinhos e leões marinhos, entre outras espécies, compondo a paisagem. Simplesmente incrível!

Muitos iatistas também buscam a solidão de uma ancoragem remota, o mergulho em corais maravilhosos no Caribe ou na Polinésia Francesa, ou a possibilidade de explorar as belezas e a cultura das ilhas gregas ou de um local similar. O que realmente os leva a desfrutar de tais maravilhas é a necessidade de aproveitar cada minuto livre, em privado (toda nossas praias foram invadidas), e participar de uma experiência única! Essa é a parte guiada pela paixão e pela emoção.

Existem, é claro, considerações mais racionais que entram em jogo ao se comprar uma embarcação de luxo. É obvio que as pessoas procuram o melhor negócio ao buscar uma embarcação de qualidade para aproveitar as experiências descritas acima.

Projetos únicos e customizados.

Nesse quesito, pode-se dizer que os proprietários ou futuros proprietários não se atentam apenas para o preço de compra da embarcação, mas para seu custo total de propriedade ao longo de alguns anos. Consideram o que estão dispostos a gastar para poder ter a maior aventura da sua vida com seu iate… Algumas vezes, a compra é realizada com base no preço mais barato, mas seria essa a decisão mais econômica no longo prazo? O preço de compra é, sem dúvida, um dos fatores a serem considerados, no entanto também é preciso levar em conta a taxa de depreciação da embarcação, os custos de manutenção e os de atualização dos equipamentos e eletrônicos. Esses custos do pós-compra variam muito entre diversos tipos, modelos e marcas de embarcações de luxo disponíveis no Brasil. Recomendo que se façam as contas tendo em vista um período de quatro anos e comparando o custo total de propriedade dentre as diversas embarcações consideradas.

No Brasil já temos disponível veleiros exclusivos e de qualidade que atendem às exigências racionais e emocionais descritas neste artigo. Este é o veleiro Global EXP 66 da MCP Yachts. – Foto do estaleiro.

Adquirir a melhor qualidade, mesmo pagando mais, pode provar ser mais atrativo no longo prazo, especialmente se você considerar não ter de se preocupar com a confiabilidade e o desempenho da embarcação por um bom tempo. As marcas premium possuem a menor depreciação, sendo extremamente populares no segmento dos usados.

No final da contas, os elementos racionais dos custos de aquisição e de operação de uma embarcação não são tão diferentes daqueles que podem ser observados na indústria dos automóveis ou na dos aviões privados. Contudo, em termos de funcionalidade, as embarcações – sobretudo os veleiros –, destacam-se como uma compra por paixão, ou irracional. De qualquer forma, devemos apreciar e entender ambos os aspectos: os elementos passionais implicados em ser proprietário de um iate, e as considerações racionais que estão por trás das melhores decisões para satisfazer esse desejo.

Bons ventos!

Max Gorissen

Velejador, escritor e editor da SailBrasil.com.br… nessa ordem!

Anúncios

Deixe uma resposta