Comparando os veleiros AC75's

O arquiteto naval François Chevalier fez o possível para desenhar as linhas dos AC75 a partir de fotos publicadas pelas equipes e, com base nestas, ele analisa as formas do casco na edição de dezembro da revista francesa Voiles et Voiliers.

Os desenhos abaixo mostram a superfície molhada estática e as posições relativas do eixo dos foils de cada veleiro.

Desenho: Revista Voiles et Voiliers – François Chevalier.

A distância entre eixos de inclinação móveis é fixada em 4,1 metros pela própria regra da classe e são iguais para todos os veleiros, contudo, os desenhos acima mostram as diferenças na obras vivas (abaixo da linha d’água) e mortas (acima da linha d’água) dos cascos dos quatro veleiros.

As diferenças aparentes entre os cascos são:

  • Defiant: Casco mais estreito, eixo de inclinação do foil bem baixo e protuberante (saindo) do casco. Forma do casco lembra uma grande prancha de windsurf. Maiores informações clique aqui.
Defiant – Foto: NYYC American Magic / America’s Cup

  • Britannia: a maior área de deck comparado com os outros veleiros. Eixo do foil relativamente baixo e acompanhando o costado. O casco possui uma forma em V um pouco maior do que o Defiant. Maiores informações clique aqui.
Britannia – Foto:  INEOS Team UK / America’s Cup

  • Luna Rossa: superfície molhada estática em forma de losângulo com quilha longa e estreita. Eixo do foil protuberante (saindo) do casco. Maiores informações clique aqui.
Luna Rossa – Foto: Equipe Luna Rossa / America’s Cup

  • Te Aihe: Casco com chines. Superfície molhada estática em forma de torpedo. O maior eixo de inclinação do foil por causa da posição do mesmo. Maiores informações clique aqui.
Te Aihe – Foto: Emirates Team New Zealand / America’s Cup

Veja mais em Voiles et Voiliers.

Desenho em destaque: Revista Voiles et Voiliers – François Chevalier.

Para saber mais sobre os novos veleiros AC 75 pés da America’s Cup 2021 leia:

Entenda os novos veleiros AC 75 pés da America’s Cup 2021.

Sobre a America´s Cup:

O America´s Cup (nome do evento e do troféu) é o troféu mais antigo do esporte internacional, tendo sido entregue à escuna de nome América em 1851, após derrotar as melhores escunas da frota britânica em uma regata ao redor da Ilha de Wight. O troféu, entregue naquele dia, foi “dado em confiança” através de uma “Ação de fidúcia” (Deed of Gift) e, desde então, se tornou um dos maiores símbolos de conquista do mundo dos esportes.

A America´s Cup está atualmente sob a guarda do Golden Gate Yacht Club de San Francisco que, em 25 de setembro de 2013, através da sua equipe, a ORACLE TEAM USA, conseguiu o maior feito de recuperação na história de qualquer esporte (leia as notícias da AC 2013 postadas na SailBrasil NEWS na época), para ter o direito de manter o troféu que tinha recuperado para os USA em 2010. Em 2017, a equipe Emirates Team New Zealand (ETNZ), recuperou o troféu para a Nova Zelandia.

Para maiores informações sobre a America´s Cup, visite o site oficial em: www.americascup.com

Para desenvolver este texto, utilizei informações do Press Release sobre os novos veleiros AC75 e desenhos de François Chevalier e referência a textos da revista francesa Voiles et Voiliers : Maximilian Immo Orm Gorissen – Editor SailBrasil.com.br e Full Member – Yachting Journalist´s Association – UK

Anúncios

Deixe uma resposta