Anúncios

Veleiro Fast 345

O veleiro Fast 345 surgiu, junto com o estaleiro Fast Yachts, de uma viagem de negócios à Inglaterra, onde, o Sr. Nelson de Sampaio Bastos, no ano de 1980, ao ver em um jornal Londrino um anúncio de venda do estaleiro Fast Yachts (Inglaterra), foi até a empresa e comprou os moldes e os acessórios dos veleiros.


Após a compra do estaleiro inglês, tendo enviado tudo para o Brasil, instalou o material em um galpão na marginal do Rio Pinheiros, em São Paulo, e montou uma equipe de produção, iniciando com o Fast 345, veleiro que, entre 1982 e 1989, teve uma produção de mais de 50 veleiros.

Assim começou a fabricação dos famosos veleiros Fast 345, modelo que foi referência na vela oceânica brasileira por muitos anos e, até hoje, é um dos modelos mais desejados no mercado de veleiros usados no Brasil.

Esta é uma história em desenvolvimento… caso possua informações, contribua!



Características

Estaleiro: Fast Yachts Ltda. – São Paulo – SP

Período de Produção no Brasil: 1982 a 1989

Modelo: Fast 345

Classe: Originalmente para a classe IOR e hoje pela IMS ou pela RGS

Armação/ Tipo: Sloop / Regata ou Standard (cruzeiro)

Projeto: Ron Holland (http://www.ronhollanddesign.com/)

Material do casco: Fibra de vidro

Categoria: Mar aberto

Propulsão: Pé de galinha ou saildrive

Pernoite: 7 pessoas

Comprimento: 10,52 m

Linha d’água: 8,99 m

Boca: 3,35 m

Calado: 1,85 m

Área velica (Mestra e Genoa): 61,00 m²

Área vélica (Balão): N/D

Deslocamento: 5.216 kg

Altura interna da cabine (máxima): 

Tanque de água: 

Tanque de óleo: 

Motorização recomendada: 


Manuais

Capa do primeiro manual do proprietário do Fast 345.

Baixe os manuais do Fast 345


Design

Originalmente, o Fast 345 era chamado de Nicholson 345, um veleiro de regata IOR no final dos anos 70. Contudo, mudanças na regra do IOR deixaram o design menos competitivo, motivo que levou a C&N (Camper & Nicholson) a parar a produção, o que levou à Fast Yachts a comprar os moldes e iniciar a produção no Brasil.


Curiosidade

No ano de 1986, o estaleiro sofreu um incêndio causado por um curto circuíto nas instalações elétricas. Por sorte, o único que se perdeu no incêndio foi o molde do deck do Fast 345, que teve de ser refeito. Nenhum veleiro deixou de ser entregue, apesar do atraso. Com isto, o prazo contratual de entrega chegou a 36 meses.


Propaganda de época


Deck


Interior


Mastreação


Casco, Quilha e Leme


Estaleiro Fast Yachts

A Fast Yachts surgiu de uma viagem de negócios à Inglaterra, onde, o Sr. Nelson de Sampaio Bastos, no ano de 1980, ao ver em um jornal Londrino um anúncio de venda do estaleiro Fast Yachts (Inglaterra), foi até a empresa e comprou os moldes e os acessórios dos veleiros.

Leia a história completa do estaleiro em: Estaleiro desativado: Fast Yachts Ltda


Veleiros conhecidos (se faltar algum nos avise!)

  • Á Revelia
  • Argos – 1988
  • Akinóis
  • Alleluia
  • Alphorria
  • Amostra Grátis
  • Atmosfera
  • Australis
  • Aventureiro 1 (já fez duas viagens à Tenerife)
  • Bally-Mena
  • Blue Bird
  • Bombordo
  • Brilho
  • Carino IV
  • Dasdas
  • Flap
  • Fluck
  • Fugaz
  • Furia – BRA 1355 – 1986
  • Joe
  • Jubiabá
  • Harmonie – 1986
  • Itamaracá – 1983 – nº 38
  • Kutuka
  • Liva
  • Lobo
  • Mandala
  • My Toy
  • Pandora – 1988
  • Pegassus
  • Petit Prince – 1987 (viajou por toda a costa brasileira e para os USA)
  • Phisalia
  • Plankton
  • Prana – 1981 – nº 6 – Atual Êxodo
  • Quindungo
  • Radun
  • Revanche
  • Serelepe – BRA 1172
  • Shanty
  • Shark
  • Solei
  • Spiro Gyro – 1983
  • Tara’a
  • Terra Firme – 1986 (veleiro navegou até os USA)
  • The Best is Yet to Come
  • Tijupá – 1987 – Atual Flap
  • TinkerBell II – 1986
  • Titikaka
  • To Atoa
  • Tom II – 1982
  • Tranquilo – 1984 – nº 39 – nome anterior: JL
  • Trimado
  • Triton (veleiro deu a volta ao mundo com Frans Prijkel)
  • Um dia pra vadiar – ex. Deborah
  • Vapensiero
  • Vó Carmen
  • Solei

Fotos


Por trás deste veleiro de design desconhecido, um Fast 345 há anos abandonado – Estaleiro em Ubatuba – SP.

Depoimentos

Eduardo Augusto de Gouveia (27/05/2020)

Meu nome é Eduardo Augusto de Gouveia e, com o intuito de ajudar as publicações, informou que sou o proprietário do veleiro Fast 345 de nome PRANA, hoje com o nome ÊXODO, fabricado em 1981, placa de identificação o nº 6 na série de fábrica e, possivelmente, ainda inglês pois a operação aqui no Brasil consta em 1982. O Êxodo passou por várias reformas durante sua existência e continua firme e forte navegando nas águas de Ubatuba – SP. se precisar de fotos para mais ilustrações me disponibilizo a mandalas.
Forte abraço e bons ventos.


João Carlos Pereira (27/05/2020)

Bom dia Max,

Você pediu para avisar se falta algum Fast 345 na lista… favor acrescentar o Aventureiro 1, veleiro que já fez duas viagens à Tenerife, veja fotos abaixo.


Michel Tesser (28/05/2020)

Bom Dia,

Li a matéria sobre o Fast 345, Muito legal e parabéns pela iniciativa. Meu pai Carlos Cesar Tesser, é proprietário do Fast 345 de nº 38 de 1983, com o nome de ITAMARACÁ ,o mesmo fica na Ilha Bela – SP no saco da capela. Veleiro maravilhoso.

Segue foto.

Desde já agradeço e muito obrigado.

Veleiro Fast 345 Itamaracá no Ilha Bela – SP no saco da capela. Foto: Michel Tesser

Sergio Benac (28/05/2020)

Muito interessante saber da origem da Fast e do 345… Conheci o Fast 345 de nome Triton, na época, de propriedade de Frans Prijkel, que com ele deu a volta ao mundo e o Fast 345 de nome Shark, que foi de propriedade de Menno Van Den Berg.


SailBrasil: O bom e velho veleiro

Desde o seu lançamento, a SailBrasil desenvolve um conteúdo focado no que interessa aos 99% dos velejadores e proprietários de veleiros… sim, você, que aproveita sempre que pode para velejar no seu veleiro, que tenta realizar a maior parte das manutenções, que está sempre em busca de como melhorar a sua velejada ou o seu veleiro e que busca inspiração em outros velejadores.

Sim, você, que como eu, possui e mantém um veleiro de cruzeiro ou de regata um pouco mais “antigo” … o “Bom e velho veleiro”.

ORM-Max

Como você sabe, hoje, a grande maioria dos veleiros que estão em uso no Brasil não são novos, assim como também, a grande maioria dos velejadores hoje no Brasil não está pensando em comprar um veleiro novo… a grande maioria, hoje, se for comprar um veleiro, este será um veleiro usado… o “Bom e velho veleiro”.

Como sei que é muito difícil no Brasil encontrar informações sobre os diversos “antigos” veleiros produzidos em algum momento pela indústria nacional, decidi criar uma nova categoria na SailBrasil na qual vamos nos concentrar em pesquisar, identificar, compilar e disponibilizar as informações de “todos” (os que pudermos identificar) os veleiros já produzidos em série no Brasil.

Sim, são muitos modelos e, como tudo no Brasil, não existe registro disponível ou de fácil acesso… então… vamos ter de ir devagar… curtindo a viagem… conversando, pedindo informações e trocando ideias com a comunidade da vela… como um velejador que, pacientemente, aproveita os ventos para chegar ao seu destino.

Com esta ação, a SailBrasil segue seu objetivo de disponibilizar informações para que você possa:

  • Estar atualizado com o que acontece no mundo da vela;
  • Conseguir as informações de que precisa para construir, reformar, manter ou melhorar seu veleiro/velejada;
  • Prover um lugar onde velejadores de recreação possam encontrar informação e dicas para cruzeirar ou competir no Brasil.

Veja os veleiros que já estão disponíveis no menu principal na categoria “Veleiros > Modelos de veleiros” e, se algo faltar ou encontrar algo errado, entre em contato no e-mail gorissen @sailbrasil.com.br e nos informe para que possamos realizar a correção.

Também ficamos muito felizes se apenas escrever umas linhas de incentivo…

Bons ventos!

Max Gorissen

Veleiro Gaia 1 – F&C 40 – 1987… o “Bom e velho veleiro” … 😊

Velejador, escritor, editor da SailBrasil.com.br… nessa ordem

.

.

Anúncios
About Max Gorissen
Sailor, writer and editor, in that order...

11 Comments

  1. Eduardo Augusto de Gouveia maio 27, 2020 at 11:04 am

    Bons ventos Senhor Editor.
    Meu nome éEduardo Augusto de Gouveia com o intuito de ajudar as publicações, sou o proprietário do Prana que hoje é o EXODO que data de 1981 em sua placa de identificação o n• 6 na série de fábrica possível ser ainda inglês pois a operação aqui no Brasil consta em 1982, o Exodo passou por varias reformas durante sua existência e continua firme e forte navegando nas águas de Ubatuba se precisar de fotos para mais ilustrações me disponibilizo a mandalas.
    Forte abraço e bons ventos

  2. Muito interessante saber da origem da Fast e do 345…
    Conheci o Fast 345 Triton, na época de propriedade de Frans Prijkel, que com ele deu a volta ao mundo e o 345 Shark que foi de propriedade de Menno van den Berg.

    • Obrigado pelas informações… atualizado! Valeu!

      • Robson de Lemos Paoli junho 9, 2020 at 4:05 pm

        Boa tarde, sou proprietário do 345 número 39, registrado com o nome “tranquilo”, fica em Angra dos Reis.

      • Boa tarde Robson,

        Obrigado por seu contato e pela informação… já incluí nos “Veleiros Conhecidos”… você poderia informar o ano de fabricação e se ele já teve outros nomes?

        Abraço,

        Max Gorissen

  3. Tenho um Fast 345 chamado Terra Firme, não está na lista. O barco fica em Floripa, ano 1986, navegou até os EUA.

  4. Robson de Lemos Paoli junho 9, 2020 at 5:38 pm

    Boa tarde, o ano de construção do tranquilo e 1984, o nome anterior era JL.

Deixe uma resposta

Aumentar fonte
Contraste
UA-141530851-1
%d blogueiros gostam disto: