Anúncios

Veleiro Sirocco

Lucky - ex Sirocco - Foto Linneu Salles Leite 800x422

Especificações:

  • Ano de Fabricação: 1947
  • Outros nomes: Wawatoo (1968) e Lucky (1971)
  • Estaleiro: Dúvida: Hanstholmvelvet – Dinamarca ou Abeking & Rasmussen – Lemwerder na Alemanha (???)
  • Material construtivo: Madeira
  • Armação: IOLE ou Yawl
  • Propulsão:
  • Tripulantes/ Passageiros:
  • Numeral: BL 5
  • Comprimento: 48′ ou 14,63 m
  • Design No.:
  • Linha d’água (m): 35′ ou 10,67 m
  • Boca (m):
  • Calado (m):
  • Área velica (m²): 83 m²
  • Deslocamento (Kg): 12.000
  • Projetista: Knud Reimers
  • Observações: Projetado para construção em serie da chamada 10 Ton Class.

Esta é uma história em desenvolvimento… caso possua informações, contribua!

O texto abaixo contando a história do Sirocco é de autoria de Atila Bohn

O SIROCCO partiu de Estocolmo em junho de 1948 rumo a America do Sul, a ideia era migrar para Rio de Janeiro ou Buenos Ares, tripulação formada por Olga Renea Mossberg proprietária, Ulla Margarete Mossberg Schramm filha da proprietária, Franz Georg Schramm casado com Ulla e o filho de um ano de idade Olaf Mossberg Schramm, Bernhard Kurz, Anton Erich Dose, Claus Arp.

O primeiro porto Brasileiro foi Recife, atracaram em frente ao Grande Hotel próximo a Ponte Giratória.

Recorte do Jornal Correio da Manhã de outubro de 1948.

Uma diligencia da Marinha do Brasil interditou o barco, dois dias depois foi liberado, havia duvida sobre os alemães Franz, Kruz, Anton Erich e Claus, na época não foi divulgado mais detalhes.

Dia 09 de outubro 1949 atracou Iate Clube do Rio de Janeiro.

Em 1949 a Olga Renea e a família Schramm tiveram a permissão definitiva para residir no Brasil.

O SIROCCO foi vendido para o Bruno Hollnagel que manteve o nome original.

Na segunda edição da Regata Buenos Aires ao Rio de Janeiro estava o SIROCCO inscrito. Por razão que desconheço Bruno Hollnagel, de ultima hora, não pode participar deixando o comando para o imediato Federico Kruder e responsável pela navegação Bernhard Kurz. Com a falta de suprimentos e problemas no estaiamento desistiram da regata na altura de Santos.

Em 1951 aconteceu a primeira edição da regata Santos Rio, o SIROCCO correu sob comando do Walter von Hütschler, bi campeão mundial da Classe Star. A primeira Regata Santos Rio teve vento forte de SW rondando para S, foi muito rápida, o primeiro a chegar no Rio de Janeiro foi o VENDAVAL com tempo de 24h e o SIROCCO chegou 2h depois, ficando em 3º no tempo corrigido.

Em 1956 foi campeão absoluto da Regata Santos Rio, Fita Azul e 1 no tempo corrigido e em 1960 foi Fita Azul novamente.

Em 1968 Bruno Hollnagel recebeu seu novo barco o SIROCCO II, Columbia 50 Yawl.

Fernando Luiz de Abreu Nabuco comprou o SIROCCO e o rebatizou de WAWATOO e em 1971 foi vendido para o grupo de velejadores Linneu Salles Leite, Andre Ranschburg, Cadu Ribeiro do Valle, José Maria Ribeiro, Lajos Attila Sarkozy mudando de nome para LUCKY.

Recorte de jornal de 21/02/1971 relatando a regata Santos-Ilhabela e a posição do WAWATOO (ex. SIROCCO) de Fernando Luiz de Abreu Nabuco

O SIROCCO não existe mais, tendo sido vendido para um tal de “Sr. Luiz”, que vivia no Guarujá, teve seu lastro e ferragens removidos e, em seguida (ano incerto), acabou seus dias largado num mangue, próximo ao ICS.

SIROCCO principais regatas:

RegataPosição
1950 – Buenos Aires – Rio de JaneiroDNF
1951 – Santos – Rio de Janeiro
1956 – Santos – Rio de Janeiro1º e Fita Azul
1960 – Santos – Rio de Janeiro1º e Fita Azul
1971 – Santos – Ilhabela?

Fotos:

Autor desconhecido: se uma destas fotos for sua, favor enviar seu nome para darmos o devido crédito. Caso queira que retiremos a fotografia favor avisar. E-mail: redacao @sailbrasil.com.br

Foto em destaque: Sirocco, já como Lucky – Foto Linneu Salles Leite

Texto e informações fornecidas/ com contribuição de: Atila Bohn.

Cadastro Nacional de Veleiros

Cadastro Nacional de Veleiros Brasileiros (LOA até 100 pés).

Não importa se esses veleiros são de propriedade de indivíduos, organizações, fundos fiduciários ou museus. Também não importa se são novos, usados, estão em péssimas condições, se já foram destruídos ou afundaram.

Não importa se foram produzidos no Brasil ou no exterior, desde que tenham algum tipo de relação com o Brasil… Todos são importantes.

Quer ajudar ou possui informações? Clique aqui para saber como.

.

.

Anúncios
About Max Gorissen
Sailor, writer and editor, in that order...

Deixe uma resposta

Aumentar fonte
Contraste
UA-141530851-1
%d blogueiros gostam disto: